24 de maio de 2018
publicado às 22h42
CRISTALINA] Daniel do Sindicato apoia caminhoneiros e diz que “aumentos constantes dos combustíveis podem travar os municípios”
Prefeito de Cristalina, Daniel do Sindicato: “Esse movimento representa a comunidade insatisfeita com a situação de exploração à classe que abastece a mesa dos brasileiros”. Diante dos constantes aumentos nos preços dos combustíveis, o prefeito determinou aos secretários e auxiliares para adotarem o transporte solidário. Sempre que tiverem agendas em conjunto, irem no mesmo carro. (Reprodução Facebook Cidade de Cristalina)

Prefeito de Cristalina, Daniel do Sindicato: “Esse movimento representa a comunidade insatisfeita com a situação de exploração à classe que abastece a mesa dos brasileiros”. Diante dos constantes aumentos nos preços dos combustíveis, o prefeito determinou aos secretários e auxiliares para adotarem o transporte solidário. Sempre que tiverem agendas em conjunto, irem no mesmo carro. (Reprodução Facebook Cidade de Cristalina)

Por Wilson Silvestre – Ao avançar com voracidade sobre o contribuinte, o governo federal precipitou a revolta da população de um modo geral e, em particular, dos transportes de cargas. A insensatez do presidente da Petrobras, Pedro Parente, tucano dos punhos de renda, dolarizando o preço dos combustíveis num afago ao mercado especulativo para recuperar o valor real da Petrobras, sufocou o principal meio de abastecimento e circulação de riquezas do país abastecimento do país.

Se não bastasse esta perigosa estratégia em tampar o rombo deixado pelo PT na Petrobras, esfolando os viventes do Brasil real, ainda colocou à beira do colapso prefeituras de médio e pequeno porte. Ou alguém ai imagina que os municípios não consomem combustíveis para prestarem serviços de limpeza urbana, transporte escolar, reparos em estradas, pavimentação de ruas e inúmeras outras atividades?

Alguns números dão a dimensão extra em como a prefeitura faz ginástica para equilibrar o orçamento. O transporte escolar roda uma média de 9.200 quilômetros diários com gastos R$ 820 mil reais/mês. A manutenção de estradas está acima de R$ 100 mil reais/mês. Para complicar, está sobre a mesa do prefeito processo administrativo dos fornecedores pedido reajustes. Por mais incomodo que seja o movimento, não é justo o povo pagar uma conta que não é dele e sim dos desmandos dos governo petistas.

Sem entrar no mérito se o movimento é justo ou patrocinado por grandes empresários do transporte como trombeteia o governo federal, o fato é que muitos cidadãos aderiram ao protesto e apoiam os caminhoneiros. Mesmo com mais de 100 advogados pedindo liminares da justiça pipocando pelo país, o estrago na combalida imagem do governo federal está feito. A adesão de vários segmentos da cadeia produtiva, não deixa margem para dúvidas: o brasileiro está com raiva do establishment político e as instituições, por isso explodiu.

Ao prestar apoio aos caminhoneiros que estão parados nas BRs 050 e 040, duas importantes vias que cortam Cristalina, o prefeito Daniel [do Sindicato] Sabino Vaz (PSB), assim como centenas de outros colegas espalhados pelo país, reconhece que a situação chegou a um ponto extremamente crítico. Ele sofre na pele o que é ter uma elevação de preços nos combustíveis três vezes no mês, como tem ocorrido desde o final do ano passado. “Se continuar neste ritimo, pode travar a administração de muitos municípios”.

Cristalina

Daniel analisa que os prefeitos ficam espremidos entre as demandas da população, responsabilidade fiscal, Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público. “O fornecedor ganha a concorrência com o preço mais baixo e dois meses após assinar o contrato, pede ajuste devido o conste aumento nos preços nas refinarias. A prefeitura concede e ai começa a minguar o orçamento destinado para este fim. Se fosse só este o problema, seria fácil, mas logo vem o desgaste político, TCM, oposição…”

O município de Cristalina tem uma malha de estradas municipal que, da divisa com o Distrito Federal até a divisa com Ipameri, chega a 200 quilômetros, ligando lavouras e assentamentos aos meio de escoamento da produção. Isto representa uma soma considerável em custo de manutenção e onera muito o cofre do município. Para o prefeito, “Esse manifesto representa o País, representa municípios como o nosso, que movimenta a economia do Brasil com a produção de grãos, o transporte de alimentos, a comercialização de máquinas e insumos. Esse movimento representa a comunidade insatisfeita com esta situação de exploração à classe que abastece a mesa dos brasileiros”, disse Daniel na quinta-feira (24) no encontro com os caminhoneiros.

O vice-prefeito de Cristalina, Luiz Henrique também se associou à fala de  Daniel sobre o assunto, hipotecando solidariedade aos manifestantes. “Apoiamos integralmente as reivindicações de vocês e somos parceiros dos caminhoneiros nesta luta”, afirmou.

EM TEMPO –  Conforme post do portal O Antagonista, o governo e parte das associações de caminhoneiros anunciaram um acordo para suspender a paralisação da categoria por 15 dias. O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia disse que o preço do diesel ficará fixo por 30 dias e o governo criará um programa de subvenção econômica. Como registrou O Antagonista: União (leia-se nós) pagará a conta, firmando um contrato com a Petrobras e pagando pelos prejuízos que a estatal terá com o congelamento de preço       . Como sempre, o governo resolveu parcialmente o problema. E as prefeituras, como ficam?

Escreva um comentário