10 de agosto de 2018
publicado às 13h50
Vaidade, egoísmo e arrogância mantém Cristalina há 20 anos sem um ‘deputado estadual para ser chamado de seu’
Dos vários candidato a deputado estadual de Cristalina, o vice-prefeito Luiz Henrique reúne maior estrutura, propostas e apoios para se eleger

Dos vários candidato a deputado estadual de Cristalina, o vice-prefeito Luiz Henrique reúne maior estrutura, propostas e apoios para se eleger

Por Wilson Silvestre – Entre os cinco municípios que integram o chamado ‘Entorno Sul de Brasília’, Cristalina é o mais estratégico: porta de entrada para a Capital do País e as regiões norte e nordeste. Soma-se a esta posição geográfica privilegiada, sua força econômica e uma população aproximadamente de 55 mil habitantes e quase 34 mil eleitores.

Além de Luziânia, trata-se um município histórico com 102 anos de fundação e o que ostenta indicadores econômicos e sociais acima da média na região e em Goiás. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), a média salarial dos trabalhadores é de R$ 2.4 salários mínimo enquanto em Luziânia é de R$ 2.0, ou seja: o poder de compra do assalariado em Cristalina é maior.

O mais relevante são os índices de educação no ensino fundamental: 95,6% das crianças de 6 a 14 anos estão matriculadas. A média de aproveitamento pedagógico aferido pelo IDEB é de 4.7 no início da escolaridade e 4.4 na conclusão do ensino fundamental. Estes indicadores e os mais recentes números sobre o município podem ser conferidos em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/cristalina/panorama e compararados com os demais municípios da região.

Todos estes números positivos conquistados e a capacidade dos cristalinenses em gerar riquezas para o município, Goiás e o País ainda não foram suficientes para eleger um ‘deputado estadual para ser chamado de seu’. Há 20 anos que Cristalina é um trampolim aos parlamentares de outras cidades, principalmente Luziânia. O último eleito do município foi o ex-prefeito Antonino Camilo em 1998. Desta data até agora, todos os chamados “representantes” de Cristalina são de Luziânia ou outras regiões.

FOTOS PEQUENAS (MONTAGEM) NO MEIO DO TEXTO Delegado Rafael Pareja, Silvano da Rádio e Zeni da Gráfica: poucas chances em alcançar votação superior a três mil votos cada

Delegado Rafael Pareja, Silvano da Rádio e Zeni da Gráfica: poucas chances em alcançar votação superior a três mil votos cada

Novamente a cidade está fervilhando de candidatos a uma vaga de deputado estadual. São bons nomes como o ‘novato’ e pouco conhecido delegado Rafael Pareja (PSL), o vereador e ex-secretário de Segurança Pública, Silvano da Rádio (PSDB), empresário Zeni da Gráfica (Podemos) e outros pretendentes que entram mais como figurantes. Todos eles, sem dúvida, bons nomes, mas sem uma estrutura partidária e apoiadores fora do município.

Diante deste quadro com muitos candidatos, os quase 34 mil eleitores tende a pulverizar os votos, quer por amizade ou para concorrentes vindo de outras cidades. Com isso, as chances de eleger um representante do município ficam mais difícil. O ideal seria abrir mão da vaidade, egoísmo e arrogância, indicando um nome com melhor estrutura partidária e apoios.

O blog arrisca um palpite: em 7 de outubro o mais votado será o vice-prefeito e candidato a deputado estadual, Luiz Henrique (PDT), seguido pelo delegado Rafael Pareja, Silvano da Rádio e outros. É o chamado efeito ‘autofágico político’ quando todos ‘brigam’ pelo mesmo eleitor e ninguém ganha. Quem leva vantagem nesta disputa de egos são os chamados ‘de fora’. Caso do deputado Diego Sorgatto (PSDB) que tem o apoio do deputado federal Célio Silveira, estrutura partidária e densidade eleitoral fora de Cristalina.

Para contrapor este ‘balaio de siri’, o único candidato do município com chances reais, é Luiz Henrique. Ele é carismático, empresário rural, tem projetos sociais, principalmente de inclusão, apoio do prefeito Daniel do Sindicato e um grupo estruturado em Cristalina e em outros municípios. Além disso, conta com uma aliada forte: deputa federal de seu partido, Flávia Morais. Nunca é demais reforçar que o PDT de Luiz Henrique é aliado do líder na corrida ao Palácio das Esmeraldas, Ronaldo Caiado (Democratas).

Ao contrário do que os ‘arautos do quanto pior melhor’ batem bumbo, Luiz Henrique pode repetir a votação de Daniel do Sindicato em 2014. O atual prefeito de Cristalina teve mais de 10 mil votos no município. Portanto, esse jejum de duas décadas sem um representante eleito por Cristalina, tem chances de ser quebrado, mesmo com a desunião dos agentes políticos da cidade.

Escreva um comentário