22 de novembro de 2018
publicado às 17h32
Guilherme Schelb é o mais cotado para assumir Educação

“Não tem nada definido, mas esse é um ministério importantíssimo, tem que ser muito bem escolhido”, afirmou Bolsonaro a repórteres.

Guilherme Schelb, cotado para o Ministério da Educação no governo Bolsonaro Foto: Antônio Augusto / Agência Câmara

Guilherme Schelb, cotado para o Ministério da Educação no governo Bolsonaro
Foto: Antônio Augusto / Agência Câmara

Por Ricardo Brito e Lisandra Paraguassu(site Terra) – O procurador regional da República Guilherme Schelb é o mais cotado no momento para assumir o Ministério da Educação no governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou nesta quinta-feira à Reuters uma fonte com conhecimento do assunto.

Schelb está reunido na tarde desta quinta com Bolsonaro na Granja do Torto, a residência oficial que o presidente eleito decidiu usar durante o governo de transição.

A fonte disse que Schelb conta com o apoio de parlamentares e grande parte de pessoas que apoiaram a agenda de Bolsonaro durante a campanha eleitoral e é um entusiasta de propostas como a Escola Sem Partido e grande crítico da chamada ideologia de gênero no ambiente escolar. “Sem dúvida (ele chega pronto para o cargo)”, disse a fonte, ao ser questionada pela Reuters.

O procurador tem sido um militante sobre questões como ideologia de gênero nas escolas, inclusive com palestras e livros vendidos sobre o assunto. O alinhamento com esses temas é uma das questões que será levada em conta para a indicação do ministro da Educação, disse mais cedo o próprio Bolsonaro em entrevista.

“Não tem nada definido, mas esse é um ministério importantíssimo, tem que ser muito bem escolhido”, afirmou Bolsonaro a repórteres.

Na entrevista, Bolsonaro também havia negado que o diretor do Instituto Ayrton Senna Mozart Ramos Neves tenha sido apresentado a ele como possível ministro da Educação.

“Acho que a intenção de colocar o nome do senhor Mozart como ministro foi tentar fazer com que a bancada evangélica se voltasse contra a minha pessoa. Nem foi cogitado o nome do senhor Mozart para ministro, não procede isso”, disse o presidente eleito.

A fonte ouvida pela Reuters disse que o nome de Mozart — que chegou a ser anunciado por alguns órgãos de imprensa como novo ministro na véspera — não foi sequer tratado por pessoas do círculo mais próximo como o escolhido para o cargo.

Caso se torne ministro da Educação, Schelb terá de pedir exoneração do cargo de procurador regional da República — a semelhança do que ocorreu com o então juiz federal Sérgio Moro para virar titular da Justiça. O procurador está na carreira do Ministério Público Federal desde 1995, atualmente lotado na Procuradoria Regional da República na Primeira Região (PRR-1), com sede em Brasília. Ele está designado para atuar no Núcleo de Assuntos Criminais da PRR-1.

Escreva um comentário