17 de dezembro de 2018
publicado às 23h25
‘Coronel’ Cristóvão Tormin trabalha para que Wilde Cambão seja o adversário do empoderado Marcelo Melo na disputa para prefeito de Luziânia
Governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado e seu principal aliado em Luziânia, Marcelo Melo: candidato natural do DEM para disputar a prefeitura em 2022. (Reprodução: Facebook)

Governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado e seu principal aliado em Luziânia, Marcelo Melo: candidato natural do DEM para disputar a prefeitura em 2022. (Reprodução: Facebook)

Por Wilson Silvestre – Os eleitos em 7 de outubro ainda nem tomaram posse, mas as tratativas visando alianças em 2020, quando haverá eleição novamente para prefeitos e vereadores, já estão ocorrendo a todo vapor. A maioria dos postulantes ao executivo municipal, seja quem busca reeleição ou manter-se no poder elegendo o sucessor, sabe que não existe ‘cedo demais’ em política. O futuro é logo ali, virando a esquina, portanto, recomenda-se mostrar ao distinto público eleitor que os atuais mandatários, faz muito bem à cidade e merece manter o grupo no comando do município.

Fiel a este roteiro, prefeitos como o de Luziânia, importante e estratégico município na Região Metropolitana de Brasília, Cristóvão Tormin (PSD), tido como ‘coronel’ político devido a forma como tratora seus adversários, deve reorganizar sua base de apoios.

Prefeito de Luziânia em último mandato, Cristóvão Tormin (PSD) joga todas as suas fichas no deputado eleito, Wilde [Cambão] Roriz para sucedê-lo na prefeitura

Prefeito de Luziânia em último mandato, Cristóvão Tormin (PSD) joga todas as suas fichas no deputado eleito, Wilde [Cambão] Roriz para sucedê-lo na prefeitura

Ele tem dado sinais que o seu candidato a prefeito será mesmo o deputado estadual eleito, Wilde [Cambão] Roriz (PSD). O problema é que agora ele não tem o apoio de aliados como o deputado estadual, reeleito, Diego Sorgatto (PSDB) e nem a hegemonia de seu grupo. Diego, para não fugir ao seu histórico, deve mudar novamente de partido e migrar para a base do governador eleito, Ronaldo Caiado (DEM).

É bem provável que Diego, assim como o deputado federal, reeleito, Célio Silveira, por enquanto tucano, se aproxime do empoderado Marcelo Melo (DEM). Nem Célio ou Diego estão dispostos a fazer oposição a Ronaldo Caiado e muito menos Marcelo. A prudência política sugere buscar abrigo onde se encontra o topo do poder e Diego fez isso nos últimos 20 dias da campanha para governador. ‘Colou’ em Marcelo Melo que havia conquistado apoios de vereadores, sendo um deles do PSDB, empresários e lideranças para somar na campanha de Caiado.

Portanto, por mais esforço que o ‘Coronel’ Cristóvão faça para unir seu grupo, dificilmente ele contará com Diego Sorgatto ou Célio Silveira. Diante desse quadro e os novos tempos que sopram no cenário político de Goiás e do País, Cristóvão não terá muitos argumentos para convencer o eleitor que seu candidato é o melhor para Luziânia. Além disso, o ‘Coronel Cristóvão’ está com a imagem muito desgastada junto a elite e formadores de opinião no município.

A importância estratégica de Luziânia vai além de cidade que abriga as principais subsecretarias regionais do Governo de Goiás, como educação, saúde, Superintendência Regional de Polícia Civil, Comando Regional da Polícia Militar com três batalhões, Gerência Regional da Saneago, Regional da Fazenda e Detran. Soma-se a este polo administrativo, o fato de ter o maior número de eleitores na região. Este capital político sai das mãos do PSDB e de Cristóvão, migrando para os aliados do governador eleito, Ronaldo Caiado. Seguramente, Marcelo Melo será ouvido na escolha deste novos gestores.

Escreva um comentário