29 de maio de 2019
publicado às 22h21
Em conversas reservadas e longe do alaridos das ruas, surgem nomes que podem disputar a prefeitura de Formosa
Empresário com um case de sucesso no empreendedorismo, visto como o ‘João Dória de Formosa’, Brasil Júnior pode ser a grande surpresa da disputa pela prefeitura. Na sequência, o prefeito Gustavo Marques que deve disputar a reeleição, ex-prefeito Itamar Barreto e o ex-candidato a prefeito, Rodrigo Lacerda. Muita gente com capacidade e disposição para fazer uma ‘Formosa cada vez melhor’.

Empresário com um case de sucesso no empreendedorismo, visto como o ‘João Dória de Formosa’, Brasil Júnior pode ser a grande surpresa da disputa pela prefeitura. Na sequência, o prefeito Gustavo Marques que deve disputar a reeleição, ex-prefeito Itamar Barreto e o ex-candidato a prefeito, Rodrigo Lacerda. Muita gente com capacidade e disposição para fazer uma ‘Formosa cada vez melhor’.

Por Wilson Silvestre – Se tem uma atividade que ignora crise, país quebrado, estados ou municípios à beira do precipício, é a política. Não existe prognóstico ruim ou cenário adverso que possa deter tratativas para a corrida eleitoral do ano que vem, quando os atuais vereadores e prefeitos serão testados nas urnas novamente. Nomes é o que não faltam, principalmente para ocupar o executivo municipal. A partir de hoje o blog vai publicar, partindo dos municípios do Entorno de Brasília, os bastidores dessas conversas. Claro que ainda são sondagens, mas como não existe ‘cedo demais’ em política, especulação em tono de nomes é o que não falta.

Começando por Formosa, principal porta de entrada para a região nordeste de Goiás, cidade estratégica e histórica que faz parte da agenda política de qualquer postulante à Assembleia Legislativa de Goiás, Congresso Nacional e o Palácio das Esmeraldas. No próximo ano, seus mais de 110 mil habitantes e os 68.292 eleitores cadastrados em 2018, vão ser assediados para conceder mais quatro anos à maioria dos vereadores e o prefeito, todos em busca da reeleição.

Além do atual prefeito, Gustavo Marques (Pros), encabeça a lista o ex-prefeito Itamar Barreto (PSD), embora ele negue que esteja articulando nesse sentido, é visível a romaria de ex-auxiliares, lideranças políticas e alguns empresários visitando seu ‘rancho’ ou na residência num condomínio fechado. Itamar é muito respeitado no município e região, além de ser um veterano na política, é apaixonado pela cidade. Ele também pode apoiar o empresário Brasil Júnior.

O empresário faz parte da bolsa de apostas. Ousado, humilde e carismático, Brasil Júnior – ainda sem partido – desponta como um outsider, sendo comparado ao governador de São Paulo, João Dória (PSDB). Amigos dizem que ele é o ‘João Dória de Formosa’ devido seu case de sucesso nos negócios e habilidade no trato político. Além disso, tem livre trânsito entre todos os segmentos da sociedade de Formosa.

Brasil Júnior tem mantido uma discreta agenda de conversas sobre sucessão municipal, mas não é segredo para ninguém seu conceito de gestão pública: o político tem que servir a população e não se servir da política. Esta tem sido sua bússola quando descreve um gestor público. “O dinheiro não é público e sim do público. Quem gera riqueza e empregos é o setor privado. Ao setor público compete não atrapalhar”. Ele também acredita que está na hora deter alguém à frente da gestão pública que saiba administrar como empresário, pois a prefeitura é uma grande empresa.

O ‘João Dória de Formosa’ com apoio declarado do deputado federal Célio Silveira (PSDB). Outro que ainda não se manifestou publicamente, mas que tem grande afinidade com Brasil Júnior é o deputado estadual e uma das mais respeitadas lideranças de Formosa e região: deputado [Tião Caroço] Sebastião Monteiro (PSDB). Se realmente o ex-prefeito Itamar Barreto vir apoiá-lo, Brasil Junior sai para a disputa com boa margem de sucesso.

O vereador e presidente da Câmara, [Mundin] Edmundo Nunes Dourado (PP) é um dos que também busca viabilizar sua candidatura, assim como o vereador de oposição, Wenner Patrick (PSC). O blog tentou contato com eles na Câmara e não obteve êxito. Fica o registro.

Outro nome do meio empresarial é o de Felismino Alves Ferreira. Embora tenha patrimônio pessoal à altura de uma campanha para prefeito, necessita construir alianças partidárias. Há murmúrios também sobre o advogado e ex-secretário de Itamar na prefeitura, Luiz Antônio Guimarães (PSD). Uma fonte garantiu ao blog que existe um grupo tentando articular seu nome, mas ainda está restrito à reuniões fechadas.

O atual prefeito, Gustavo Marques (Pros) ainda é uma incógnita sobre sua densidade eleitoral. Ele assumiu a vaga com a renúncia de Ernesto Roller (sem partido), convidado para compor a equipe de governo de Ronaldo Caiado (Democratas). Disputar uma reeleição sem apoio da estrutura de governo, fica complicado se levar em conta, o desgaste que a estratégia do governador Ronaldo Caiado adotou para não contratar ninguém ou poucas pessoas no interior. Com isso, Gustavo fica sem condições em construir uma narrativa convincente de que “as coisas vão melhorar com minha reeleição”.

No pelotão do meio, encontram-se o ex-candidato a prefeito, Rodrigo Lacerda (PSB). Um bom nome, mas seu partido deve perder antigos aliados na cidade. Especula-se que ele pode deixar os socialistas e candidatar-se a uma vaga de vereador. Tudo é possível em política. Na mesma toada, segue o ex-candidato a deputado estadual, Bueno Hernany (SD). Embora bem votado no município, sua cotação junto ao eleitorado caiu de patamar.

A partir de julho, o quadro deve ficar mais nítido e a população terá oportunidade para avaliar os postulantes à Câmara de Vereadores e da principal cadeira do município.

Escreva um comentário