28 de julho de 2019
publicado às 11h54
O protagonismo da Amab e o malabarismo político de Hildo do Candango em defesa do Entorno de Brasília
O presidente da Amab, Hildo do Candango tem se desdobrado na busca do entendimento das autoridades do Governo Federal, Brasília e de Goiás sobre a importância do Entorno de Brasília para a Capital do País. Investimentos em educação, saúde, segurança, mobilidade urbana e infraestrutura sãos as principais demandas dos prefeitos

O presidente da Amab, Hildo do Candango tem se desdobrado na busca do entendimento das autoridades do Governo Federal, Brasília e de Goiás sobre a importância do Entorno de Brasília para a Capital do País. Investimentos em educação, saúde, segurança, mobilidade urbana e infraestrutura sãos as principais demandas dos prefeitos

Por Wilson Silvestre – Não é segredo para nenhum cidadão brasileiro minimamente informado que o país esgotou seus recursos. No entanto, o cidadão comum que vive no Brasil real representado pelos municípios, distante das decisões políticas, não bate à porta dos poderosos da vez, mas no gabinete do prefeito ou vereador. Ele não quer saber onde originou os problemas que afetam seu cotidiano. Na mente dele, o mais próximo é o prefeito, portanto ele é responsável direto pela solução.

Este tem sido o desafio dos que estão à frente da gestão municipal, seja ela pequena ou uma metrópole, as demandas são parecidas, principalmente saúde, segurança, educação e infraestrutura. E neste contexto que entra em cena a união de todos, não importando a sigla partidária. Este tem sido o papel da Associação dos Municípios Adjacentes a Brasília (Amab): contribuir em busca de solução para as demandas que afetam a todos.

Consultores e especialistas em gestão governamental e corporativas, defendem que um líder, acima de tudo, tem que acreditar naquilo que defende. Para os menos estudiosos do comportamento humano, liderança é uma característica que nasce com o indivíduo. Pode ser, porém, há pessoas singulares que nascem inspiradoras a motivar ideias, pessoas e, no caso político, pensar o futuro agora. Este é, sem exagero, o caso do prefeito de Águas Lindas de Goiás e presidente da Amab, Hildo do Candango.

Tido como um homem conciliador, diplomata, humilde, voz moderada no trato com os poderosos, Hildo tem feito consistente malabarismo político em defesa da região do Entono de Brasília e sua gente. Além de conhecer como poucos as principais demandas de cada município, Hildo entende que a Amab com seus 11 prefeitos, é a última trincheira dos quase 2 milhões de habitantes na luta para desenvolver a região.

Hildo e a diretoria da Amab tem cumprido seu papel político à frente da entidade suprapartidária, auxiliando os colegas prefeitos(as), vice-prefeitos(as) e vereadores(as) em questões técnico-administrativas e jurídicas na captação de recursos. A tarefa acaba sendo mais política do que administrativa pois as prefeituras, hoje, contam com um corpo técnico qualificado na elaboração de projetos, mas se não houver muito trabalho e paciência para defender as demandas dos municípios, os avanços são mínimos.

A singularidade de Hildo está na sua capacidade em atrair a atenção de autoridades sobre os objetivos da Amab: transformar o Entorno de Brasília na região metropolitana mais desenvolvida de Goiás. Ele sabe que os desafios são grandes, pois os governos federal e estadual também estão com recursos limitados, mas ainda são os detentores da imensa maioria dos tributos arrecadados nos municípios. Este é o argumento crucial que Hildo utiliza apontando que as demandas a cada ano recai sobre estas unidades federativas e, em contrapartida, os recursos ficam nos governo federal e estadual.

Ele avalia que a Amab é portadora dos interesses dos municípios filiados e, mais do que uma simples associação de eleitos, exerce o legítimo papel de reivindicar benefícios para a Região Metropolitana de Brasília (Rembra). “Mesmo diante da crise em que passam os governos federal e o de Goiás, a Amab tem tido um protagonismo suprapartidário em defesa de nossa região, cobrando benefícios celebrados com prefeitos e reivindicando investimentos”.

Questionado sobre o duplo papel em liderar a defesa de uma região e conciliar a atividade de prefeito numa cidade complexa como Águas Lindas, Hildo é contido nas palavras, mas sintetiza sua filosofia política: “Não é fácil. Divido o meu expediente normal na prefeitura reservando, quando necessário, o horário de almoço e à noite para cuidar dos interesses da Amab. Cansa um pouco, mas faço política por amor ao bem comum beneficiando todos, portanto, trabalhar 10, 12 horas por dia a serviço desse ideário, é gratificante, mas tem seu custo. Sua vida fica presa aos compromissos de estado e o familiar, às vezes em segundo plano”.

Escreva um comentário