11 de março de 2020
publicado às 22h38
Prisão dos ‘vereadores da rachadinha´ de Cristalina pode respingar lama tóxica em Daniel do Sindicato
ENTRE AMIGOS Ex-presidente da Câmara de Vereadores, Marquinho Abrão (PRP), o atual Pablo Magela (MDB), vereador Silvano da Rádio (PSDB) e o prefeito Daniel do Sindicato (PSB). Os três vereadores foram presos na operação ‘Toma lá dá Cá’, do Ministério Público e a Justiça. A lama tóxica provocada pelos ‘vereadores da rachadinha’ já contaminou o sonho de Daniel em pedir ao cidadão-eleitor mais quatros como prefeito. Corre risco de fecharem a porta na cara dele. (Reprodução Facebook pessoal).

ENTRE AMIGOS
Ex-presidente da Câmara de Vereadores, Marquinho Abrão (PRP), o atual Pablo Magela (MDB), vereador Silvano da Rádio (PSDB) e o prefeito Daniel do Sindicato (PSB). Os três vereadores foram presos na operação ‘Toma lá dá Cá’, do Ministério Público e a Justiça. A lama tóxica provocada pelos ‘vereadores da rachadinha’ já contaminou o sonho de Daniel em pedir ao cidadão-eleitor mais quatros como prefeito. Corre risco de fecharem a porta na cara dele. (Reprodução Facebook pessoal).

Por Wilson Silvestre(*) – Uma característica do senso comum dos brasileiros é a crescente aversão aos políticos e sua bipolaridade pública. Durante a campanha eleitoral garimpando votos adotam um discurso republicano, moralista e templário de cruzadas contra a corrupção, mas eleitos, tornam-se ‘donos’ do dinheiro do contribuinte. O povo, coitado, não passa de um mero detalhe a ser administrado até a próxima eleição.

Este tem sido o script traçado pela maioria de suas Excelências, não importa se vereador, deputado estadual, federal, senador, governador ou presidente da República. Com raras e honrosas exceções, pode-se extrair do cesto de frutas apodrecidas, gente comprometida com os interesses do cidadão.

A prisão do atual e do ex-presidente da Câmara de Vereadores de Cristalina, respectivamente Pablo Magela (MDB) e Marco Aurélio Ribeiro conhecido como Marquinho Abrão (PRP), escancara aos olhos do público uma prática que é recorrente em quase todo os legislativos do País: usar funcionários comissionados para extorquir parte do salário. Na esteira do escândalo, também tiveram suas casas vasculhadas os vereadores Bernardo Fachinello (PP) e Marcelo [Enfermeiro] Alves Borges (PR).

Já o vereador Silvano da [Rádio] Silva Leite, do PSDB não teve a mesma sorte, foi preso logo no início da Operação ‘Toma lá, dê Cá’ deflagrada pelo Ministério Público e a Justiça. A este ‘time da rachadinha’, soma-se mais gente que celebraram contratos “prá lá de generosos” entre o executivo municipal e vereadores que dão sustentação política ao prefeito Daniel do Sindicato (PSB).

Como não existe dinheiro na Câmara de Vereadores, a não ser o duodécimo constitucional repassado pelo executivo, o Ministério Público de Goiás, tendo à frente da investigação os promotores de Justiça Ramiro Carpenedo Martins Netto e Fernando Martins Cesconetto vão se debruçar sobre a farta documentação apreendida nas residências dos acusados e na Câmara de Vereadores para descobrir o fio desta teia de corrupção.

AOS AMIGOS, OS CONTRATOS George Bortoli, Wellington Caixeta (acima) e Rosivaldo Pelota com Daniel do Sindicato formaram a tropa de choque que deu sustentação política a Daniel ‘desconstruindo’ a imagem do então prefeito Luiz Attié. Como recompensa, generosos contratos na prefeitura que foram barrados pela Justiça. (Montagem sobre fotos do Facebook)

AOS AMIGOS,
OS CONTRATOS
George Bortoli, Wellington Caixeta (acima) e Rosivaldo Pelota com Daniel do Sindicato formaram a tropa de choque que deu sustentação política a Daniel ‘desconstruindo’ a imagem do então prefeito Luiz Attié. Como recompensa, generosos contratos na prefeitura que foram barrados pela Justiça. (Montagem sobre fotos do Facebook)

Documentos como contratos suspeitos, agendas, extratos bancários, cópias de cheques, cartões bancários, aparelhos celulares, computadores e pendrives vão ajudar a decodificar o que realmente está por trás do acharque a uma dezena de funcionários do legislativo municipal. Este material apreendido, também pode revelar ao cidadão-eleitor o subterrâneo que liga alguns vereadores e o prefeito de Cristalina. Dificilmente Daniel do Sindicato sairá ileso, politicamente dos respingos de lama tóxica da corrupção que atingiu sua base aliada na Câmara.

Para os mais atentos aos bastidores do subterrâneo em que se transformou a atual quadra política de Cristalina, esta ação da justiça e o do MP já era esperada. A desfaçatez dos envolvidos e a segurança em que celebravam a farra dos contratos com a prefeitura, logo no início do mandato do prefeito Daniel e sua turma de vereadores, chamava a atenção pelos valores e a forma ‘emergencial’ que eram celebrados. Para piorar a imagem do legislativo ainda acharcava os contratados e efetivos que recebiam gratificações generosas.

Sobre os contratos, o blog tem em mãos cópias deste documentos celebrados entre a prefeitura e pessoas umbilicalmente ligadas ao prefeito. Entre eles, o ex-presidente do PSB e um dos fiadores da candidatura de Daniel em 2016, dentista George Bortoli e dois ex-presidentes da Câmara de Vereadores, Rosivaldo Pelota e Wellington Caixeta. Os três, juntos com Daniel e diversos outros servidores da prefeitura, respondem a ações movidas pelo MP que pedem ressarcimento de mais de R$12 milhões de reais de dinheiro público.

Todos os processos estão em andamento na justiça que, dependendo do andar do carro, vão provocar insônia em muita gente, principalmente urticária nos bolsos. Para aumentar a extensão da esteira de denúncias, começa a ampliar o som do alarido da população quanto ao destino dos, aproximadamente R$ 600 milhões que entraram nos cofres da prefeitura nestes 3 anos e dois meses da gestão Daniel do Sindicato.

É ai que a narrativa desta turma que foi eleita sob o patrocínio da moralização e boas práticas na gestão pública desmorona de vez. A coisa desandou de tal forma que resgataram a gestão do ex-prefeito Luiz Attié num piscar de olhos. Pode-se acusar Attié de falhas nas demandas da população, mas nada que seja parecido com a palavra ‘corrupção’. Por isso que a expressão repetida várias vezes por este blog nunca sai de moda: “O que destrói os políticos são a ganância, vaidade e arrogância”. Uma reflexão para os ‘vereadores da rachadinha de Cristalina’ e os que estão na prefeitura. (*Com a colaboração do advogado em Cristalina, Mayco Aranha).

Escreva um comentário