23 de maio de 2020
publicado às 20h49
Reforma da casa do prefeito de Jataí, Vinícius Luz vira caso de polícia e pedido de CPI na Câmara de Vereadores
Prefeito de Jataí, Vinicius Luz contra ataca oposição acusando-os de coagirem pessoas que trabalharam na reforma e ampliação de sua casa associando os custos à prefeitura. Para o vereador Major Pires, “existe uma farta documentação que desmonta a tese de vitimização do prefeito”. (Reprodução: Portal Panorama e Vânia Santana/CMJ).

Prefeito de Jataí, Vinicius Luz contra ataca oposição acusando-os de coagirem pessoas que trabalharam na reforma e ampliação de sua casa associando os custos à prefeitura. Para o vereador Major Pires, “existe uma farta documentação que desmonta a tese de vitimização do prefeito”. (Reprodução: Portal Panorama e Vânia Santana/CMJ).

Por Wilson Silvestre – Em Jataí, cidade próspera, uma elite politizada e influente junto às camadas da classe média urbana e rural, sempre cultivou o debate político como instrumento democrático. Salvo alguns exageros mais passionais, a escolha para representantes no legislativo municipal e executivo, nunca deixou de ser debatido com paixão futebolística.

Este ano, dividindo o debate político com a pandemia provocada pelo Covid-19, as atenções com o chamado “Escândalo da reforma e ampliação da casa do prefeito” começa a rivalizar com o coronavírus. Até há bem pouco tempo, o ilustre alcaide do município, Vinicius Luz (PP) só tinha uma voz de oposição tocando bumbo contra ele: vereador Major Davi Pires (DC).

O prefeito Vinicius não dava muita atenção ao barulho do bumbo e seu trabalho fiscalizador, preferindo tratá-lo como um personagem menor da política local. Mas como “Até água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, o solitário vereador de oposição chamou a atenção dos mercadores moucos e incomodou o prefeito.

Começou com a CPI da Saúde que rolou como bola em campo de futebol: num momento está no campo adversário, noutro na área atacante. De repente, o prefeito pegou a bola, matou no peito e encerrou a CPI da Saúde no último minuto do jogo na Câmara de Vereadores. Mesmo vencendo a oposição, Major Davi já não estava sozinho pois, além de aliados na Câmara, uma legião de vozes fez coro à sua resultando em mais uma encrenca para o prefeito Vinicius Luz.

Ela veio. Agora mais uma denúncia invade a tranquilidade de Vinicius que, diga-se, estava vindo numa toada boa, recuperando a imagem e se fortalecendo como adversário robusto à reeleição. O problema é que o ‘bode na sala’ desta vez exala cheiro de nitroglicerina pura, envolvendo a reforma e ampliação de sua casa. De acordo com denúncia da oposição encabeçada pelo vereador Major Davi, o prefeito transformou sua “modesta casa em uma luxuosa mansão”.

De acordo com os relatos da oposição, o prefeito comprou o imóvel majorando o valor venal para baixo, “bem fora da realidade do mercado imobiliário” Até ai, tudo bem. Esta é uma prática recorrente pelo País. O problema são os “pagamentos da mão-de-obra da reforma feito pela empresária Rogéria Furquim Vasconcelos, esposa de Geni Eurípedes de Souza Filho, assessor executivo do prefeito Vinícius Luz”, conta Davi.

O vereador diz que o Termo de Declaração do responsável pela instalação dos móveis planejados da obra, Neucilon Cunha Garcia (cópia com o blog), confirma os pagamentos em dinheiro vivo efetuado pelo empresário Rômulo Paniago França, sócio da Empresa Distribuidora Jatahy Eirelli que mantém contratos desde 2017 com Prefeitura de Jataí.

Davi relata que os contratos chegam a quase meio milhão de reais. Segundo ele provas juntadas nas representações confirmam a amizade entre Rômulo Paniago França e Geni Eurípedes de Souza Filho. “A empresa de Rômulo Paniago sequer tem uma sede, até poucos dias o endereço da empresa era na residência de seus pais”.

Diante das denúncias, foi protocolado na Câmara de Vereadores pedido de abertura de uma CPI para apurar as denúncias contra o prefeito a possível lavagem de dinheiro na reforma e ampliação de sua casa. Além do escândalo ter virado caso de polícia com acusações entre aliados do prefeito e oposição, registrados na Delegacia de Polícia Civil de Jataí (14°DRPC), a cidade começa a olhar com mais atenção para os pré-candidatos a prefeito, Humberto Machado (MDB) e Luciano Lima (PSD).

CONTRA ATAQUE DO PREFEITO

Normalmente o poder executivo é o maior influenciador dos meios de comunicação e em Jataí não é diferente. Salvo um ou outro veículo que dá voz à secura de espaços em noticiosos jornalísticos para a oposição, os adversários de Vinicius Luz concentram-se nas redes sociais, principalmente nos grupos de Whatsapp onde a narrativa contra sua gestão, reforma e ampliação de sua casa tornou-se o assunto da hora.

Em vídeo, Vinicius Luz contra ataca dizendo que ação é orquestrada por opositores que não dão a mínima para Jataí. “São as mesmas pessoas que passaram dias coagindo fornecedores que prestaram serviços para mim em minha casa, financiada pelo Banco do Brasil como prova os documentos” – ele mostra no vídeo. Vinicius acusa seus adversários de pressionarem estes fornecedores de serviços e materiais para a obra, “fazerem acusações caluniosas” ligando os pagamentos à prefeitura. “Reformei a casa para morar lá e tive ajuda de pessoas amigas para acompanhar a obra, sem nenhuma custo financeiro pois não tinha tempo para acompanhar os trabalhos”.

Em depoimento à Delegacia da Polícia Civil de Jataí-GO, a ‘supervisora da obra’, Rogéria Furquim denunciou, os influencer digital Jesus Mallaveo e Antônio Quirino “por difamá-la nas redes sociais”. No depoimento, a empresária acabou complicando o prefeito, pois ele havia dito que “amigos não cobraram nada para supervisionar a obra”, mas ela declarou haver recebidos R$ 7 mil como pagamento.

Escreva um comentário