25 de julho de 2020
publicado às 22h38
Elvis Santos | “Sou o único pré-candidato que faz uma oposição propositiva ao prefeito de Valparaíso”
ENTRE APOIADORES – Pré-candidato a prefeito de Valparaíso, Elvis Santos (SD)> “Tenho vários projetos que vão impactar diretamente na qualidade de vida dos nossos cidadãos. Todos com definições de metas e uma rigorosa transparência na execução dessas futuras obras” (Arquivo pessoal).

ENTRE APOIADORES – Pré-candidato a prefeito de Valparaíso, Elvis Santos (SD)> “Tenho vários projetos que vão impactar diretamente na qualidade de vida dos nossos cidadãos. Todos com definições de metas e uma rigorosa transparência na execução dessas futuras obras” (Arquivo pessoal).

Por Wilson Silvestre – O pré-candidato a prefeito de Valparaíso, Elvis Santos (SD), veterano nos embates eleitorais, escanteou o discurso comedido até então, restrito a reuniões com apoiadores de seu projeto de poder, adotando a real política como instrumento para “sacudir o cidadão-eleitor da letargia e trazer para o debate, a atual gestão do prefeito de nossa cidade”.

Elvis não poupou críticas à gestão de Pábio Mossoró (MDB) atribuindo a ele, falta de planejamento e descaso com a Covid-19. “O poder executivo municipal poderia ter criado uma rede de proteção aos comerciantes individuais, abrindo mão de tributos e articulando politicamente junto aos governos estadual e federal”. Pelo tom de suas críticas, percebe-se que o debate político em Valparaíso terá dois eixos centrais: retomada da atividade econômica e o mundo pós pandemia”.

Para não fugir ao seu estilo crítico, Elvis registra que “sem desmerecer os outros pré-candidatos, sou o único que realmente faz uma oposição propositiva ao atual gestor da cidade”. Pontua que suas conversas e reuniões com apoiadores “percebo que estou resgatando os cidadãos da letargia política e até indiferença aos problemas que estamos enfrentando em Valparaíso”.

Abaixo as principais respostas da entrevista feita por Whatsapp ao pré-candidato Elvis Santos:

Um dos grandes anseios do funcionalismo público é a construção de planos de cargos e salários. Como solucionar essas questões caso seja eleito prefeito?

Precisamos valorizar o servidor público elaborando um plano de carreira para todas as categorias, investindo em estrutura tendo diálogo permanente com seus representantes. Em contrapartida, redução drástica dos cargos comissionados e qualificar melhor a prestação de serviços à população.

Quais foram as ações relevantes promovidas pelo senhor como o vereador?

Meu maior legado foi a compra do prédio que foi transformado em sede do Poder Legislativo do município, proporcionando uma economia de recursos públicos que perdurava há mais de 20 anos pagando aluguel. Antes, quase R$ 20 mil eram desembolsados pelos contribuintes mensalmente. Entre 2015 e 2016 entreguei à população um patrimônio importante no debate de ideias sobre os rumos de nosso município.

Fui o autor da Lei de Ficha Limpa municipal e também do ‘Botão do Pânico’ no transporte de massa, dando mais segurança aos usuários. Outra Lei importante foi a criação do ‘Bicicletário Municipal’, no Jardim Oriente. Consegui recursos financeiros por meio de emendas parlamentares com o nossos aliados parlamentares, senador Luiz do Carmo (MDB) e o deputado federal do meu partido, Lucas Vergílio (SD).

Tive – e tenho – mantido constantes atuações junto aos governos federal e estadual em defesa das demandas da população de Valparaíso. Eleito, tenho vários projetos que vão impactar diretamente na qualidade de vida dos nossos cidadãos. Todos com definições de metas e uma rigorosa transparência na execução dessas futuras obras.

Uma questão que permeia sempre o debate, é o intenso fluxo de veículos na BR-040. Na sua percepção de homem público, como solucionar esta demanda da população de Valparaíso?

Temos vários gargalos para serem resolvidos em relação ao trânsito em nosso município e o mais premente deles, sem dúvida, é o tráfego da BR 040. Esta é uma demanda que envolve os três governos: federal, estadual e municipal. O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) está ciente dessa importante ação governamental para melhorar a segurança de pedestres e o fluxo de veículos nesse trecho.

Aproveito para fazer um desabafo crítico: temos 17 deputados federais e 41 estaduais. Muitos deles tem tido votos no município, mas com raras exceções, pouco ou nada fazem para unir vozes na defesa do município. Creio que precisamos colocar o debate da BR-040 na pauta de obras do Governo Federal com ajuda de nosso governador Ronaldo Caiado. Outra importante intervenção dos governos é a conclusão do prédio da Escola Técnica, obra abandonada no meio do governo passado.

A imagem de ruas esburacadas, lama, pavimentação irregular, esgoto a céu aberto, terreno baldio, entre outros, entristece moradores mais conscientizados e críticos. O que fazer para elevar o padrão de vida nos bairros?

Uma das coisas que mais atrasa as obras de infraestrutura na cidade, é o conluio dos gestores com alguns empresários financiadores das campanhas eleitorais deles. Isso torna o gestor do município refém de um modelo de barganha de interesses pessoais, relegando os cidadãos em segundo plano. Exemplos não faltam: saneamento básico, infraestrutura em asfalto, novas salas de aula e creches.

Essa cultura do compadrio pernicioso entre amigos, na prática, gera prejuízos a cada gestão. Cito como exemplo o governo liberar alvará de ‘habite-se’ a mais de 5 mil unidades habitacionais, sem cobrar esgoto e investimentos em infraestrutura, incluindo áreas para escolas e posto de saúde.

Empresários de Valparaíso estão apreensivos com a queda na atividade econômica por conta da pandemia provocada pelo coronavírus. Muitos fecharam as portas, desempregando centenas de pessoas tanto formal quanto informais. Qual é sua proposta para a administração pública ajudar na retomada de investimentos e geração de empregos em Valparaíso?

Todos nós lamentamos esta fatalidade que abateu sobre o mundo e, em particular Valparaíso, um município que tem como base econômica o setor de serviços ancorado no comércio. Novamente abro uma crítica sobre os governos anteriores e o atual em nossa cidade que foram, no mínimo, omissos em atrair novas empresas. Esta negligência refletiu agora com o isolamento social provocado pela Covid-19. O poder executivo municipal poderia ter criado uma rede de proteção coletiva aos comerciantes, principalmente a empresa familiar, abrindo mão de tributos e articulando politicamente junto aos governos do estadual e federal.

Esta ação diminuiria muito o impacto no comércio e para piorar, a atual gestão acovardou-se em proteger as pessoas com barreiras sanitárias, distribuição de máscaras, campanhas publicitária nas plataformas digitais e veículos tradicionais de comunicação.

O prefeito ficou esperando os governos do estado e o federal para iniciar ações na prevenção. O gestor municipal tomou atitudes impensadas sem levar em consideração que, ao fechar o comércio sem um planejamento técnico e estratégico, afetaria muito nossa economia. Para piorar, baixa decretos confusos, penalizando o empreendedor. Não fez compras de testes em quantidade para atender demandas da população. Recursos tem. Até o final do ano, o tesouro municipal vai estar com mais de R$ 30 milhões oriundos de recursos federal estadual.

Sem desmerecer os outros pré-candidatos, sou o único que realmente faz uma oposição propositiva ao atual gestor da cidade. Em minhas conversas e reuniões, percebo que estou resgatando os cidadãos da letargia política e até indiferença aos problemas que estamos enfrentando.

Muitas empresas que realizam pequenas obras ou projetos à Prefeitura de Valparaíso estão apreensivas em perder seus contratos, gerando mais desemprego a partir de 2021. Sendo eleito, qual será sua ação para aproveitar melhor as empresas da cidade em seus projetos?

O atual governo não prestigia muito as empresas locais, haja vista que a maioria dos contratados da prefeitura são com empresas de fora. Um exemplo claro e o contrato com uma ONG que oferece aula de dança e de teatro. Ela drena quase R$ 2 milhões por ano do contribuinte, sendo que temos diversas entidades sem fins lucrativos dentro do município fechando as portas por falta de parcerias com a prefeitura. Essa prática em beneficiar empresas de fora, vai da merenda escolar à compra de móveis para escritório. Até com prestadores de serviços este governo nunca se preocupou em fortalecer.

Quanto aos contratos com empresas da cidade, no meu governo esta será uma prioridade para gerar mais empregos. Agora, todas passarão por avaliação técnica e se estão dentro dos critério legais, além disso, os contratos existentes precisam ser avaliados. O que estiver ilegal ou ferir a legislação, infelizmente será dispensado.

Nesse momento de distanciamento social e com o fim das coligações, os partidos formaram suas chapas de vereadores, mas muitos deles ainda discutem alianças. O seu partido Solidariedade conseguiu aliados de outras siglas para conquistar a prefeitura?

Contamos com o apoio do PTC, PROS, PMB, E DEMOCRATAS no município, isso nos coloca em condição de igualdade com as forças políticas da cidade. Considerando que o atual gestor rompeu sua parceria com a deputada estadual Lêda Borges (PSDB), responsável pela sua eleição, fatalmente dividiu base eleitoral do prefeito. Embora sejam filhos do mesmo ninho tucano aliado à péssima gestão do atual prefeito, abre espaço para outras candidaturas

A pergunta que sempre está no debate é sobre seu afastamento da Câmara de Vereadores em fevereiro de 2019. A justiça reconduziu o sr. ao cargo, mas seus adversários tem explorado muito este episódio tentando desqualificar sua honestidade como homem público. Como o sr. encara este desafio?

Existe em nossa cidade a cultura do denuncismo. Basta você assumir um cargo público que os adversários correm ao Ministério Público denunciado algo que você não fez, mas até explicar… sua imagem está na boca do povo com os piores adjetivos.

Os adversários políticos não debatem e não aceitam as ações que não sejam de seus interesses, tanto político quanto econômico. O resultado é que todos os gestores públicos, seja no executivo ou legislativo do município respondem algum questionamento judicial ou até no próprio TCM. No meu primeiro mandato como vereador prestes a completar o quarto mandato, tive a honra compartilhar com meus pares, um legislativo bem definido.

Fui eleito presidente da câmara em 2015 e reeleito em 2016, período em que adquii a sede do Legislativo Municipal, feito que os 20 presidentes da Mesa Diretora anteriores a mim não conseguiram.

Isso mexeu muito com o ego de alguns colegas sendo que um grupo reduzido, vislumbrou que eu seria um adversário forte na corrida ao executivo. Meu discurso estava sendo formatado na cabeça dos eleitores como alguém que cuida do interesse público e não de grupos.

Logo a conspiração entrou em cena tendo como um dos mentores, os poderosos conhecidos de sempre com ajuda de meu suplente. O preço que paguei foi alto me afastaram da Câmara onde o povo havia me colocado, democraticamente, como o vereador mais bem votado de Valparaíso com 1.478 votos.

Sofri as mais duras investidas do poder judiciário que também sofria uma pressão por parte dos poderosos de plantão. Apanhei muito dos adversários sendo que alguns tombaram ao longo da batalha, pois o carinho e o apoio da população nunca me faltaram. Reitero o meu respeito e apreço ao judiciário que restabeleceu meu direito de reassumir o mandato de vereador.

A câmara abriu processo de investigação sobre a compra do prédio e fui inocentado, demonstrando que não agi com dolo nem com má fé com o dinheiro público. Pelo contrário: dei lucro ao município. A sede própria da Câmara de Vereadores é o prédio com maior valor econômico e também simbólico do município. Valeu a pena enfrentar tanto ataques, injustiças e linchamento público, mas muitas pessoas reconhecem meu esforço em fazer muito com pouco dinheiro. Hoje o prédio é usado para palestras encontros e solenidades oficiais. Esses reconhecimento me estimula ir em frente e pensar nossa cidade muito mais forte à partir de 2021.

Escreva um comentário