PF prende Wagner Canhedo Filho por fraude fiscal e lavagem de dinheiro

0

Procuradoria estima que grupo tenha causado prejuízo de R$ 875 milhões.
Ele foi alvo de operação em maio sobre suposto esquema de fraude fiscal.

Isabella Calzolari/Do G1 DF

A Polícia Federal prendeu na manhã desta sexta-feira (9) o empresário Wagner Canhedo Filho depois que a Justiça determinou a prisão preventiva dele a pedido do Ministério Público Federal (MPF). A informação foi repassada pela Procuradoria da República no Distrito Federal. Investigadores solicitaram que ele fique proibido de deixar o país justificando que, “diante do robusto poder econômico, o risco de fuga é inafastável, o que poderia colocar em risco a aplicação da lei penal”.

Canhedo Filho é o principal gestor do grupo Canhedo, que atua nos setores de hotelaria e de transportes na capital federal. Ele é dono da empresa de transportes Viplan, que operou na capital federal por 44 anos. O G1 ligou para o celular do empresário solicitando o telefone da defesa, mas uma mulher que não quis se identificar disse que não poderia dar informações.

O empresário Wagner Canhedo Filho durante operação da PF em maio (Foto: TV Globo/Reprodução)
O empresário Wagner Canhedo Filho durante operação da
PF em maio (Foto: TV Globo/Reprodução)

A estimativa da Procuradoria da Fazenda Nacional (PFN) é que as fraudes cometidas pelo grupo empresarial tenham causado um prejuízo de R$ 875 milhões aos cofres públicos. De acordo com a Procuradoria da República do DF, o empresário é investigado pelos crimes de fraude à execução, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

O caso é apurado desde o ano passado pelo Núcleo Criminal do MPF e pela Polícia Federal. De acordo com a procuradoria, com a prisão dele, os investigadores pretendem “garantir o fim de práticas adotadas com o propósito de impedir a execução de dívidas tributárias”.

Em maio deste ano, Canhedo Filho foi alvo de operação da PF para investigar um suposto esquema de fraude fiscal que pode ter chegado a R$ 875 milhões. Durante as buscas, ele foi detido em flagrante por posse ilegal de arma. Ele é filho do ex-dono da Vasp.

Medidas
Em maio deste ano uma ordem judicial determinou o cumprimento de vários mandados de busca e apreensão e ainda o afastamento dos gestores do controle administrativo de empresas do grupo Canhedo.

Na época, a suspeita era de que Canhedo Filho usava empresas fantasmas, abertas em nome de laranjas, para movimentar o dinheiro arrecadado pelo complexo empresarial “impedindo, dessa forma, o cumprimento de execuções fiscais”, informou a procuradoria. A apuração já identificou pelo menos seis empresas que teriam sido usadas na prática.

Três meses depois, novas informações reunidas pelos investigadores apontavam que o empresário mantinha a prática. “Canhedo Filho migrou seu esquema para a utilização de outras empresas até então não conhecidas e também não atingidas pelos bloqueios judiciais no âmbito da Execução Fiscal, dentre as quais seguramente a Cooperativa de Transportes Alternativos e Autônomos do DF”, detalha um dos trechos do documento enviado à Justiça com o pedido de prisão preventiva.

O G1 não localizou a cooperativa citada. O MPF cita que no dia 28 de agosto o empresário sacou mais de R$ 1,2 milhão de uma conta bancária em nome da cooperativa que, anteriormente, havia recebido depósitos “vultosos” da principal empresa do grupo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

AN