Lava-Jato: Marcelo Odebrecht tem nova prisão preventiva decretada

0

Além de Marcelo, outros dois executivos ligados ao grupo Odebrecht, Rogério Araújo e Marcio Faria, também tiveram a prisão decretada por Moro

O empresário e dono da empreiteira Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht, teve nova prisão preventiva decretada, nesta segunda-feira (19/10), pelo juiz federal Sérgio Moro, que conduz as investigações da Operação Lava-Jato. Além de Marcelo, dois executivos ligados ao grupo Odebrecht, Rogério Araújo e Marcio Faria, tiveram a prisão decretada por Moro. O juiz aceitou também uma nova denúncia do Ministério Público Federal (MPF), apresentada na última sexta-feira (16/10), contra a cúpula da empresa.

O empresário e dono da empreiteira Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht.
O empresário e dono da empreiteira Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht.

De acordo com a denúncia, Marcelo está envolvido diretamente no esquema de pagamento de propina a ex-dirigentes da Petrobras e atuava orientando as atividades dos demais acusados ligados à empreiteira, como os executivos Rogério Araújo, Márcio Faria de Sá e Cesar Rocha, que também se tornam réus com a decisão de Moro.

Para abrir a ação penal, Moro considerou significativo documentos da Suíça, apresentados pela acusação, que demonstram a movimentação de contas da Odebrecht para ex-dirigentes da estatal.
 

Leia mais notícias em Política

“Relativamente ao pagamento de vantagens indevidas nos contratos que constituem objeto específico desta ação penal, observo que, além das propinas constituírem, em cognição sumária, a regra nos grandes contratos da Petrobras, eles, os contratos, encontram-se relacionados em tabela fornecida por Pedro Barusco, gerente de Serviços e Engenharia da Petrobras. Portanto, há, em cognição sumária, provas documentais significativas da materialidade dos crimes, não sendo possível afirmar que a denúncia sustenta-se apenas na declaração de criminosos colaboradores”, informou o juiz.

Sobre a decretação da nova prisão de Odebrecht e dos executivos da empresa,  Moro afirmou que eles devem continuar presos por oferecerem riscos as investigações. “O risco à investigação e à instrução decorre de condutas subreptícias, destruição e interferência na colheita das provas, assim como o risco à aplicação da lei penal, dissipação de ativos com remessas ao exterior e movimentação no exterior de ativos criminosos. Não há como controlar essas condutas com medidas alternativas.”

Os empresários estão presos deste 19 de junho, quando foi deflagrada a 14ª fase da Lava-Jato. A decisão de hoje é a segunda ordem de prisão contra os executivos, desta vez acusados de pagamento de R$ 137 milhões em propinas em oito contratos da Petrobras, entre 2004 e 2011.

Denúncia da Procuradoria
A força-tarefa da Lava-Jato apresentou, na sexta, uma nova denúncia contra a cúpula da Odebrecht. Os procuradores da República que subscrevem a denúncia pedem que seja decretado o perdimento “do proveito e produto dos crimes”, em valor mínimo de cerca de R$ 137 milhões, além do pagamento de danos mínimos de R$ 275 milhões em favor da estatal referentes aos oito contratos.

Material Correio Braziliense

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

AN