Corte de ponto de servidores grevistas está valendo a partir de hoje

0

Por Maria Eugênia (Metrópoles.com) – No embate que trava com os servidores públicos em greve, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) cumpriu a ameaça e publicou nesta quinta-feira (29/10) decreto que regulamenta o corte de ponto dos grevistas. A norma determina a adoção de medidas administrativas contra os funcionários que integram as categorias que tiveram a greve decretada ilegal pela Justiça e não retornaram ao trabalho.

corte

O decreto, publicado no Diário Oficial do DF, vai além. Também atinge as categorias que cruzaram os braços e que a suspensão dos serviços atinge diretamente a população, mesmo que a Justiça ainda não tenha decretado o movimento ilegal. Caso, por exemplo, do Detran, DFTrans e DER.

Pela norma, os secretários de cada pasta e dirigentes de órgãos afetados estão autorizados a verificar o horário de entrada e saída de cada servidor para identificar aqueles que não estão trabalhando e providenciar o corte de ponto e adotar outras medidas disciplinares.

Folha de novembro
Em nota enviada ao Metrópoles, a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão informou que o corte na folha de pagamento será realizado no mês de novembro já que a folha de outubro foi  fechada antes do término do mês. Com isso, os valores serão descontados no pagamento que será realizado até o 5º dia útil de dezembro.

Informa, ainda, que no caso específico dos servidores da Educação, será lançada a falta do servidor e, posteriormente, avaliada se houve ou não a reposição, tendo em vista a obrigatoriedade do cumprimento dos 200 dias letivos.

Reajuste
Os servidores estão em greve pelo não pagamento do reajuste salarial previsto para setembro. O benefício foi aprovado em lei, na gestão do governo petista. Trinta e duas categorias têm direito ao aumento. Mas alegando falta de recursos em caixa, o Governo do DF se comprometeu a pagar o reajuste apenas em outubro de 2016, em retroativo.

Além do DFTrans, Detran, DER, estão em greve os professores da rede pública, servidores da Saúde. Nesta quinta, às 11h, os funcionários da Saúde fazem nova assembleia. Há expectativa que o movimento seja encerrado. Só o SindSaúde já acumula multa de mais de R$ 3 milhões por não cumprir a decisão judicial e retornar ao trabalho. Para o Sindicato dos Professores, a multa chega a R$ 2,3 milhões.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

AN