Aécio realista: oposição não pode ter impeachment de Dilma como pauta única

0

Por Iva Velloso (Fato Online) – O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG) afirmou que a oposição não pode ter como única e exclusiva agenda a questão do afastamento da presidente Dilma Rousseff. O tucano anunciou que o seu partido terá uma posição mais “propositiva” daqui para frente.  Ele revelou que no próximo dia 8 de dezembro apresentará um conjunto de propostas no campo social para minimizar os efeitos da crise.

“Nossa avaliação é de que ela [Dilma Rousseff] perdeu as condições de fazer a economia voltar a girar. Agora, nós, do PSDB, temos uma preocupação com o dia seguinte, com o futuro, e é por isso que estamos nos esforçando para, atualizando nossas propostas, fazermos um debate sobre a situação real das pessoas”, afirmou Aécio, lembrando que o PSDB faz oposição ao governo e não ao Brasil.

O senador mineiro destacou que o partido manterá sua posição contrária a aprovação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) ou qualquer aumento de carga tributária proposto pelo governo. No entanto, acenou com a possibilidade de ajudar o governo na aprovação da DRU (Desvinculação das Receitas da União), em tramitação no Congresso Nacional.

Sobre um possível processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, o tucano disse que isso não depende apenas da oposição. “Isso depende obviamente do conjunto do Congresso Nacional, das provas que possam ser colhidas no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que investiga se dinheiro da propina da Petrobras foi utilizado na campanha eleitoral da presidente. Mas nós não ficaremos apenas aguardando que os tribunais, ou o próprio Congresso, decida essa questão. Nós vamos continuar apontando os equívocos do governo e apresentando propostas para minimizar os efeitos dessa crise”.

Aécio Neves disse que para o seu partido o calendário constitucional está em 2018. “O PSDB estará preparado para ele, mas, se o Brasil continuar sendo desgovernado como hoje, e a presidente da República uma mera inauguradora de Minha Casa, Minha Vida, acho que a população brasileira é que vai pedir o seu afastamento”, avalia.

O tucano voltou a criticar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-MG) e afirmou que ele já teria condições de ter colocado em pauta a questão do impeachment da presidente. “Não estamos nessa balança de me salve que eu lhes dou o impeachment’. Não. Acho que o presidente da Câmara já teria, a meu ver, todas as condições de ter colocado essa questão para ser discutida, aberto o processo na Câmara dos Deputados, mas não vamos negociar, no que diz respeito à ética, em absolutamente nada”, avisou.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

AN