Protesto contra privatização da Celg bloqueia Avenida 85, em Goiânia

0
Manifestantes bloquearam a Avenida 85 contra privatização da Celg, em Goiânia (Foto: Murillo Velasco/G1)
Manifestantes bloquearam a Avenida 85 contra privatização da Celg, em Goiânia (Foto: Murillo Velasco/G1)

Por Murillo Velasco/Do G1 GO – A Central Única dos Trabalhadores (CUT-GO) e entidades ligadas à reforma agrária protestam nesta quarta-feira (3) contra a privatização da Companhia Energética de Goiás (Celg). Manifestantes bloquearam o trânsito nos dois sentidos da Avenida 85, no Setor Sul, em frente à Associação Comercial, Industrial e de Serviços do Estado de Goiás (Acieg), onde uma audiência pública discute o assunto.

Segundo a organização do protesto, há cerca de 1 mil participantes. Já a Polícia Militar, que acompanha o movimento, estima que 600 pessoas estejam presentes no ato.

De acordo com o presidente da CUT-GO, Mauro Rubem, a entrada ao evento foi restrita e vários líderes sindicais, inclusive ele, ficaram de fora da reunião.

“Privatizaram até uma audiência que era pra ser pública. A população não vai aceitar calada a venda de um patrimônio que é dos goianos”, afirmou o presidente.

O G1 entrou em contato por telefone e email com o Ministério de Minas e Energia nesta quarta-feira, mas até a publicação desta reportagem não houve retorno sobre o assunto.

De acordo com nota enviada pelo órgão na última quarta-feira (27), o leilão da Celg Distribuição está sendo organizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O ministério havia informado que ainda não tinha data para a venda da  empresa. A Celg, segundo o órgão, é a única estatal da Eletrobrás que já cumpriu as etapas determinadas pelo Conselho Nacional de Desestatização (CND).

Audiência pública
A audiência pública realizada nesta manhã tem a presença de membros do BNDES e foi marcada depois que um grupo ocupou o prédio da Secretaria da Fazenda de Goiás, contra a venda da Celg-D. Na nota enviada ao G1 na última quarta-feira, o ministério informou que o evento seria “aberto a todos os interessados”.

“Se comprometeram a discutir o assunto com a comunidade, com os sindicatos e com as classes de trabalhadores envolvidos neste processo, mas fecharam as portas, isso é uma atitude absurda”, afirmou o presidente da CUT-GO.

PM GOIAS

Policiamento
De acordo com o porta-voz da Polícia Militar, o tenente-coronel Ricardo Mendes, até as 10h50, o trânsito na Avenida 85 continuava bloqueado por manifestantes, mas desvios foram feitos para desafogar o congestionamento gerado pelo protesto. Equipes da PM ajudam também na segurança do prédio da associação onde acontece o evento.

A Acieg informou em nota que não participa do evento e que apenas locou o espaço para a Celg. Comunicou ainda que a Celg “tomou devidas medidas de segurança, de verificação do prédio à triagem dos participantes”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

AN