Ex-prefeita de Valparaíso, Lêda Borges sofre mais um revés do Ministério Público

0
MP coloca mais uma pedra no caminho da deputada estadual e secretária de Cidadania, Lêda Borges (PSDB) rumo à Câmara Federal (Renan Accioly/Jornal Opção)
MP coloca mais uma pedra no caminho da deputada estadual e secretária de Cidadania, Lêda Borges (PSDB) rumo à Câmara Federal (Renan Accioly/Jornal Opção)

Por Wilson Silvestre – Existe um dito popular que diz: “Não se joga pedra em árvore que dá fruto”. Este parece ser o caso da ex-prefeita de Valparaíso e deputa estadual licenciada, Lêda Borges (PSDB). Atualmente secretária de Cidadania no Governo de Goiás, Lêda tem se destacado como uma gestora eficiente e tecnicamente preparada para os desafios constantes da administração pública, segundo avaliação do núcleo próximo ao governador de Goiás, Marconi Perillo.

Com um temperamento forte, sem medo de cara feia e determinada, Lêda chacoalhou a tradicional política de Valparaíso elegendo-se prefeita. Sua ascensão política afrontou correntes ideológicas e fortes grupos políticos com interesses nas contas da prefeitura. A árvore produziu frutos, agigantou-se projetando sua sombra fora dos limites de Valparaíso, mas também na mesma proporção que ampliava sua liderança, seus adversários políticos também se organizavam. O resultado não poderia ser outro: pedras atiradas na árvore para derrubar os frutos, também derrubam folhas. Ou seja, sua gestão foi minuciosamente rastreada, denunciada e revirada ao máximo por adversários e órgãos fiscalizadores, principalmente Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e Ministério Público Estadual (MP-GO).

Tanto adversários como aliados, elogiam sua capacidade política em aglutinar forças para seu partido, mas também este desempenho político pode ser barrado pela justiça. Paralelamente ao sucesso político, Lêda coleciona algumas encrencas no judiciário herdadas à época que era prefeita de Valparaíso. Novamente o MP coloca mais uma pedra em sua trajetória política, quer como candidata a deputada federal ou à reeleição.

Agora, Lêda enfrenta mais uma denúncia do MP por meio da promotora de justiça, Oriane Graciani de Souza. Ela denuncia Lêda, o proprietário da empresa A.J. Santana Filho & Cia Ltda. e a advogada Marli Luzinete Antônio de Souza pela prática de ato de improbidade administrativa.

De acordo como o MP, o contrato celebrado entre a gestão de Lêda e a A.J. Santana Filho & Cia Ltda., foi julgado ilegal pelo TCM. A promotora ressalta também o elevado valor da negociação de R$ 280 mil no contrato original, firmado em 2009, para apenas três meses de serviços de ações para recuperação e incremento da receita municipal quanto aos créditos relativos a impostos. O segundo aditivo contratual foi reduzido inclusive para 10% da quantia efetivamente recuperada aos cofres públicos pela atividade da empresa. Em relação a esse percentual, auditoria do TCM constatou que empresas em atividade no mercado trabalhavam com percentuais significativamente inferiores que giravam em torno de 0,80% do recuperado. (Com Cristiani Honório/Ascom do MP-GO). Mais em http://www.mpgo.mp.br/portal/noticia/contrato-julgado-ilegal-pelo-tcm-motiva-acao-de-improbidade-contra-ex-prefeita-de-valparaiso#.WRNqjlUrLIU

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

AN