João Dória e Marconi Perillo apostam em Jardel Sebba para evitar debandada em Goiás do PSDB, PTB, PSB e outros

0
Governador de São Paulo, novo mandarim do PSDB, João Dória e o ex-governador ‘foragido politicamente’ de Goiás, Marconi Perillo articulam eleger o ex-prefeito de Catalão, Jardel Sebba presidente do Diretório Regional do PSDB. Sua missão é juntar os cacos do que ainda resta da outrora aliança do ‘Velho Tempo Novo’.
Governador de São Paulo, novo mandarim do PSDB, João Dória e o ex-governador ‘foragido politicamente’ de Goiás, Marconi Perillo articulam eleger o ex-prefeito de Catalão, Jardel Sebba presidente do Diretório Regional do PSDB. Sua missão é juntar os cacos do que ainda resta da outrora aliança do ‘Velho Tempo Novo’.

Por Wilson Silvestre – No futuro, historiadores irão registrar que o ano de 2018 quase selou o obituário do PSDB em Goiás. Registrarão que não foi só a acachapante vitória de Ronaldo Caiado (DEM) ao Governo de Goiás que praticamente varreu o ‘Tempo Novo’ praticado pela tucanagem, mas sobretudo o envelhecimento provocado pelos erros cometidos pelo Czar e agora ex-imperador pequi, Marconi Perillo. Dentre suas gritantes falhas, registra-se arrogância, vaidade e prepotência, condutas que ‘mataram’ as virtudes do Marconi de 1998.

Agora, despido de sua falsa liderança, humilhado e distante, Marconi articula com o governador de São Paulo, João Dória – novo mandarim da tucanagem nacional -, a reorganização do partido no país. Segundo o blog apurou, este foi um dos motivos porque Dória abrigou sob sua proteção, o ‘fugitivo político de Goiás’ em São Paulo. Por enquanto, Marconi continua morando na cobertura da pirâmide social, mas não será mais às custas do suor dos goianos.

Já que quase ninguém está disposto a assumir o que restou em Goiás do PSDB e aliados como PTB, PSB, PPS, PR entre outros, Marconi e Dória apostam suas fichas no ex-prefeito de Catalão, Jardel Sebba para comandar a reorganização de uma frente de oposição ao governo de Ronaldo Caiado.

Jardel já começou a tocar bumbo anunciando que está em campanha para presidente do Diretório Estadual do PSDB. Trata-se de uma estratégia para valorizar o passe, pois até os neófitos em política sabem que ninguém se dispôs a comandar o partido até agora. Mas, Jardel tem que demonstrar que ‘existe vigor’ na sigla e que 2022 é apenas um pulo, Não só. Em 2020 haverá eleições importantes que balizam a força de um partido. Se o PSDB, PTB e seus associados elegerem um bom número de prefeitos e vereadores, significa que as chances para retomar o poder em 2022 são reais.

Mas, sempre tem uma pedra no caminho e ela chama-se Ronaldo Caiado. Por mais esforços que as ‘viúvas do Velho Tempo Novo’ façam para desconstruir a imagem de Caiado como gestor, a população está atenta às lorotas surradas do agora ‘Tempo Velhinho’. O cidadão sabe que a situação do estado é mais crítica do que se imaginava. Diante desse caos, Caiado não vai fornecer munição para adversários atirarem nele. Toda insensatez administrativa será exposta à população e instituições fiscalizadoras.

Segundo registro do Jornal Opção, Jardel está surpreso com algumas manifestações de lideranças apoiando sua candidatura. O jornal acrescenta que partido [PSDB] deve defender o legado dos mandatos do ex-governador Marconi Perillo e fazer uma oposição construtiva, mas firme, combativa. Se for por este caminho, Jardel vai ter problemas para convencer lideranças que caíram no conto ‘Goiás na Frente’, obras inacabadas, denúncias de corrupção… a lista é extensa.

De todos os desastres administrativos, a maior mancha é a corrupção. Marconi passou anos a fio apregoando lisura na condução dos recursos público, mas acabou sendo o único governador de Goiás a amargar o desconforto de uma prisão. Esta imagem não sai do inconsciente coletivo tão facilmente e, por mais discurseira que Jardel faça, dificilmente terá aliados de peso ao seu lado para resgatar “o legado de Marconi”. Quem viver, verá!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

AN